Prazeres

Ferrari 1966 bate recorde com venda online por 3 milhões

Num leilão realizado a 7 de agosto, a Gooding & Co. vendeu um Ferrari 275 GTB modelo 1966, cor de areia de praia branca, por 3,08 milhões de dólares. Ainda mais inacreditável: a transação foi feita online. O coupé com engenharia exclusiva liderou o valor mais elevado que já foi pago por um carro vendido pela Internet.

Foto: Mike Maez, courtesy of Gooding & Company
17 de agosto de 2020 | Bloomberg

Um preço tão alto por um carro que não foi realmente visto pessoalmente é um indicador perspicaz da relativa saúde do mercado de carros de colecionadores em altura de pandemia de covid-19. Mas não é uma surpresa.

"Acho que este carro é à prova de vírus no sentido de que é um 275 realmente excecional. É basicamente um carro totalmente original com um interior original, muita pintura original e propriedade de longo prazo", disse David Gooding, presidente e CEO da casa de leilões, em entrevista antes da venda. Fiel ao critério da casa de leilões, a Gooding & Co. não quis identificar a pessoa que comprou o veículo. "É especial com ou sem pandemia."

Um Ferrari 275 GTB Long Nose, raro, de 1966 vendido por $3.08 milhões de dólares
Um Ferrari 275 GTB Long Nose, raro, de 1966 vendido por $3.08 milhões de dólares Foto: Mike Maez, courtesy of Gooding & Company

De facto, os melhores Ferraris estão a sair-se muito bem no mundo da pandemia: responderam por quatro dos cinco principais lotes do leilão da Gooding e por seis dos dez melhores resultados do evento "Driving into Summer" da RM Sotheby em maio, quando um Ferrari Enzo 2003 foi vendido por 2,64 milhões de dólares – o anterior preço mais alto pago por um carro num leilão online. Três dos 10 carros mais vendidos num leilão online da Barrett-Jackson em julho foram Ferraris, uma anomalia crítica para uma empresa conhecida quase exclusivamente por vender carros musculados norte-americanos e camiões rústicos.

Um 2003 Ferrari Enzo vendido por $2.64 milhões
Um 2003 Ferrari Enzo vendido por $2.64 milhões Foto: Mike Maez, courtesy of Gooding & Company

Os resultados enviaram uma clara mensagem positiva para todos colecionadores e entusiastas do setor que questionavam se os eventos cancelados de verão seriam mantidos em formato online - especialmente para carros colecionáveis de elite e perfeitos, como Aston Martins de corrida, Jaguars e Ferraris de corrida.

"Há um Kevlar blindado protegendo o 1% que se importa com essa paixão por carros", diz Steve Serio, corretor de automóveis dos ricos e famosos.

"Veículos acima desse ponto de 100 mil dólares - pense em carros vendidos em Pebble Beach - ou partes da economia não tão intimamente ligadas à indústria do petróleo [verão] pouca mudança", disse John Wiley, da Hagerty, num relatório recente sobre os efeitos do novo coronavírus no mundo dos colecionadores.

Um Mercedes-Benz 300SL Roadster de 1961 vendido por $946 mil dólares.
Um Mercedes-Benz 300SL Roadster de 1961 vendido por $946 mil dólares. Foto: Mike Maez, courtesy of Gooding & Company

Ao todo, mais de 70 milhões de dólares em carros clássicos e colecionáveis foram vendidos online pelas principais casas de leilão do mundo desde o início da pandemia.

Um Mercedes-Benz 300 SL Gullwing não restaurado, de 1955.
Um Mercedes-Benz 300 SL Gullwing não restaurado, de 1955. Foto: Mike Maez, courtesy of Gooding & Company
Saiba mais Ferrari, David Gooding, Carros, Milhões, Excentricidades
Relacionadas

Os melhores super-desportivos de que nunca ouviu falar

É no reino dos superdesportivos que surgem cada vez mais propostas movidas a eletricidade. A categoria está ao rubro, mais até do que nos irmãos a combustão, afinal, não é por acaso que velocidade rima com eletricidade.

Mais Lidas
Gourmet Qual é o segredo do charme do Bairro Alto Hotel?

Não se pode dizer que os espaços de hotelaria abrem, hoje, à mesma velocidade que os de restauração. Mas a afluência turística elevou a qualidade da oferta a um patamar alto, na capital lisboeta. O que é que torna o reaberto Bairro Alto Hotel tão distinto, convidativo e, enfim, especial?

Prazeres Morcegos são a chave para produzir um bom vinho Bordeaux

Ao longo do último ano, os morcegos passaram de animais odiados a uma ameaça devastadora graças ao seu suposto papel como os portadores originais da Covid-19, antes que o novo coronavírus atingisse os humanos. Ainda assim, em Bordéus, uma das principais regiões vinícolas do mundo, os morcegos são recebidos como heróis.