Estilo / Moda

Ferrari junta-se à Armani para lançar acessórios de luxo

A Ferrari pretende avançar no mercado de luxo para os seus acessórios. A fabricante de supercarros está a unir-se a outro ícone de Itália, a Giorgio Armani, para ajudar a empurrar as suas roupas e malas para o segmento de luxo.

O símbolo da Ferrari
O símbolo da Ferrari Foto: Bloomberg
05 de novembro de 2019 | Bloomberg

O presidente Louis Camilleri tenta atingir o objetivo de longa data do seu antecessor Sergio Marchionne, falecido em 2018: transformar a Ferrari numa marca de luxo completa. Depois de elevar a projeção para faturação e lucro em 2019, a empresa revelou na segunda-feira que, nos próximos sete a dez anos, os produtos de marca devem representar 10% dos lucros antes de juros e impostos.

A nova postura da Ferrari significa que itens como casacos e óculos de sol terão preços premium, mais alinhados à imagem dos carros desportivos que podem custar mais de um milhão de dólares, segundo pessoas familiarizadas com o processo.

"Os nossos produtos atuais são muito amplos e correm o perigo de diluir o preciosíssimo valor da nossa marca", disse Camilleri numa teleconferência com analistas.

Há muito tempo, a Ferrari oferece polos e malas de viagem em centros comerciais e aeroportos, permitindo que os fãs levem um bocado da marca por uma fração do preço.

Embora este tipo de merchandising possa reforçar a marca, o foco em relógios de 150 dólares e bonés de 30 dólares pode arranhar a imagem de exclusividade.

"Reduziremos os nossos acordos de licenciamento atuais em aproximadamente 50%", disse o CEO. "Também vamos eliminar cerca de 30% das categorias de produtos nas quais participamos."

A reputação da Ferrari pela engenharia de alto nível pode fazer de categorias mais técnicas — como relógios e óculos — um alvo lógico para a sua nova estratégia.

A Armani tentou reorientar a sua imagem de luxo através de um maior controlo, recompra da licença para vestuário de rápido fabrico e descarte (fast fashion) sob a bandeira Armani Exchange e suspensão das linhas vendidas em lojas de preços médios. No entanto, não há expectativa de retoma do crescimento das vendas até o próximo ano.

Saiba mais Ferrari, Armani Exchange, bens de consumo, economia, negócios e finanças, tecnologias de informação
Relacionadas

O personalizador dos carros dos famosos

O leitor é um jogador de futebol da primeira liga e acaba de gastar um quarto de milhão num supercarro. Apesar disso, ainda lhe falta qualquer coisa… É então que entra em cena Yianni Charalambous – alguém pediu pele de cobra?

Vai ser possível alugar peças da H&M?

A marca está a testar um serviço de aluguer de roupas devido às crescentes críticas que o setor de moda está a enfrentar pelo seu papel na acumulação de resíduos e poluição.

Mais Lidas
Guia de compras Boxers à vista

Os calções deste verão assumem tamanhos e padrões que fazem lembrar as boxers que normalmente estão escondidas por baixo das calças. A tendência, que relembra os calções dos anos 50, também chegou aos fatos de banho, agora em versões mais curtas e coloridas. Tudo em nome de um verão mais divertido e descontraído.