Drive

O Porsche eletrizante!

É oficial: a Porsche rendeu-se ao eletrizante mundo dos veículos elétricos. Chama-se Taycan, tem quatro portas, dois potentes motores elétricos com mais de 600 cv. Será que a Tesla aguenta o novo rival?

Foto: Porsche
06 de dezembro de 2019 | Pedro Serra

"A alma de um jovem cavalo vibrante." Seiscentos nomes testados depois, a Porsche escolheu Taycan, uma palavra de origem turca que descreve, em parte, o icónico símbolo da marca e que mostra o cuidado que a alemã Porsche colocou naquele que é um automóvel verdadeiramente único na sua longa história. O Porsche Taycan é, na verdade, o primeiro modelo totalmente elétrico da marca de Estugarda. Se, em 1931, a Porsche começou a sua odisseia automóvel com uma encomenda peculiar, fazer o carro do povo, mais tarde conhecido por Volkswagen Beetle e que foi a base para o entusiasmante Porsche 356 – lançado em 1948 –, já em 2019 a marca tenta liderar o ‘ataque’ à líder nos automóveis elétricos, a norte-americana Tesla, de Elon Musk

Como seria de esperar, a Porsche quis honrar a alma desportiva da marca que vem desde esse primeiro Porsche 356, desenhado pelo filho do fundador, Ferdinand "Ferry" Porsche. O seu primeiro elétrico é, por isso, um desportivo de quatro portas, um pouco mais pequeno do que o rival Tesla Model S (embora tenha quase cinco metros), baseado no protótipo Mission E. Desenhado pelo líder de design da Porsche, Michael Mauer, em conjunto com o jovem vindo da Lamborghini, Mitja Borkert, sendo ambos alemães, o Taycan tem uma estética típica da marca, especialmente na traseira, mas a frente destaca-se com imponentes e modernos faróis LED. É por ali, por baixo do capot, que também está uma mala de 81 litros, onde o dono do imponente elétrico pode guardar uma mala de dimensões decentes. Atrás ainda sobram 366 litros de espaço na bagageira, o que não é nada mau para um Porsche e pouco menos do que o Panamera normal, o maior dos Porsche.

O interior é um deleite de modernidade, de luxo e de espírito Porsche. É bem mais luxuoso do que o que vemos na Tesla e, felizmente, mantém os pergaminhos da Porsche, mas numa versão bem mais moderna e repleta de ecrãs. No total, o interior do Taycan tem quatro ecrãs, incluindo um ecrã curvo de 16,8 polegadas, altamente configurável e feito a pensar nas necessidades do condutor – é uma estreia absoluta para a tradicionalista marca alemã. Há ainda um ecrã de 10,9 polegadas no centro, onde está o sistema multimédia, e um ecrã opcional colocado à frente do passageiro. A consola central tem ainda um ecrã de 8,4 polegadas, onde se podem escolher funções. Apesar de tantas áreas digitais, não falta no topo do tablier um relógio clássico da Porsche. 

Porsche Taycan Turbo S
Porsche Taycan Turbo S Foto: Porsche

O Taycan tem uma vantagem face ao Tesla Model S. Está mais perto do chão (tem menos 6,7 cm do que o rival), ou seja, tem um centro de gravidade mais baixo. Com dois motores elétricos, um em cada eixo, o que lhe dá uma tração integral às quatro rodas, a versão Turbo tem 625 cv que saltam para 680 cv com a modalidade overboost (só funciona alguns segundos). A mais potente Turbo S tem os mesmos 625 cv, mas consegue 761 com o overboost. As baterias também prometem: têm 95 kWh de capacidade e autonomia anunciada entre os 388 a 412 km.  

Os números sonantes continuam: a Porsche afirma que o seu Taycan chega aos 100 km/h em apenas 2,8 segundos e aos 200 km/h em 9,8 segundos – a velocidade máxima é de 260 km/h. Mas na luta com a Tesla, a versão P100D do Model S chega aos 100 km/h em 2,6 segundos. Essa mesma luta pelo elétrico mais desportivo atingiu novos píncaros no final do passado verão.  

Primeiro foi a Porsche. A marca anunciou que o Taycan se tornou o recordista da mítica pista alemã de Nürburgring, conhecida como o Inferno Verde, na categoria de elétricos de quatro portas. Para isso, o Taycan mais potente fez uma volta em 7m42s. Entusiasmado? A guerra não ficou por aqui. A Tesla, que ainda recentemente bateu um recorde nos Estados Unidos, não se ficou e Elon Musk enviou uma versão especial – que só deve chegar no final de 2020 – do Model S para o Inferno Verde, o Model S Plaid, com mais de 700 cv. Resultado? Num teste cronometrado, à socapa, por jornalistas da reputada revista germânica Auto Motor und Sport (AMS), o Model S terá rodado em 7m23s, quase 20 segundos menos do que o Porsche.

Porsche Taycan Turbo
Porsche Taycan Turbo Foto: Porsche

  

Mas o Taycan tem outros "truques na manga" da Porsche, que se dedicou de corpo e alma à nova moda dos elétricos – que, na verdade, não é assim tão nova, já que os primeiros automóveis até eram elétricos. Os Tesla podem carregar, em postos especiais, os Superchargers (até 150 kw de potência), 80% da enorme bateria em 40 minutos. Mas a Porsche declara ter um sistema de 800 volts que permite superar essa façanha já por si incrível na indústria. O Taycan carrega 80% da sua bateria em apenas 20 minutos, permitindo 100 km de autonomia por cinco minutos de carregamento. Um registo notável e ainda por comprovar na prática. Auspicioso é também o carregamento gratuito por três anos que a marca está a prometer em alguns países. Pelo menos nos EUA e no Canadá ele parece garantido e os clientes norte-americanos vão pagar zero dólares – sim, leu bem, zero – para andarem no seu Porsche elétrico.

O Taycan promete ser todo um novo capítulo para a mítica marca de Estugarda que está a pouco mais de 10 anos de completar um século. A Porsche espera produzir 40 mil unidades do Taycan por ano, uma meta ambiciosa e superior ao que a Jaguar está a fazer com o seu SUV elétrico I-Pace, naquele que é o Carro do Ano 2019 a nível mundial e o maior rival em termos de capacidade elétrica da Tesla.

A elegância, a potência, o luxo e a capacidade elétrica do Taycan convenceu-o? Espere pelo preço. O modelo custa €158.220, em Portugal, na versão Turbo, mas sobe para os €192.660 na versão Turbo S. Aí a Tesla fica bem na frente, com o seu Model S Long Range (o que tem mais autonomia de bateria), a começar nos €88.900 e a versão Performance a começar nos €106.600. Ainda assim, um Porsche, mesmo que elétrico, continua a ser um Porsche. E se não está convencido veja as linhas e o interior desta beleza alemã elétrica chamada Taycan.

Saiba mais Porsche Taycan, Carros, carros elétricos, drive
Relacionadas

Motores que valem a pena

Dos tradicionais motores a combustão aos veículos 100 por cento elétricos, passando pelos híbridos de ligar à tomada (a Ferrari foi a última a aderir). O importante é a intensidade dos arranques e a experiência.

O mundo por um Tesla

Fomos pôr à prova o Tesla Model X. Não voámos, mas ficámos deliciados pelas portas “asas de falcão” e pelos modos de condução ao estilo trenó. O melhor, mesmo, é ler o que se segue.

Mais Lidas
Drive Electric dreams, a nova Harley elétrica é mesmo um sonho

Rebeldia, liberdade à americana, tradição e, agora, eletricidade. A Harley-Davidson estreou, este ano, a sua primeira mota totalmente elétrica, a LiveWire. Como se não bastasse de estreias modernas, lançou também o seu primeiro modelo de aventura, a imponente Pan America. A lendária Harley está viva e recomenda-se.

Drive O novo Ferrari Roma é uma obra-prima

Atribuíram-lhe o nome de Ferrari Roma e é o automóvel perfeito para quem gosta de obras-primas. O novo modelo alia os traços clássicos icónicos com os do exclusivo 250 GTO e a modernidade e a potência dos desportivos da atualidade. Uma delícia de arte e engenho italiano.

Drive Carros para as mulheres da nossa vida

Carros há muitos e gostos também. Num cenário sem limitações financeiras de maior, que tal oferecermos o carro perfeito para cada uma das mulheres que trazemos no coração?