Conversas

O português que nunca estudou design e hoje trabalha na LEGO

César Carvalhosa Soares mostra que é possível mudar de vida após 15 anos na mesma profissão e como uma paixão de criança pode ser mais determinante que a formação.

O português que nunca estudou design e hoje trabalha na LEGO
Conversas

Bend it like Beckham

David Beckham confessa que não pede permissão para mudar de visual e que gosta de arriscar. Fê-lo uma vez mais, agora, ao lançar a sua linha de cuidados masculinos, House of 99. E nós falamos com Mr. Beckham, em exclusivo.

Bend it like Beckham
Conversas

João Tordo, a insustentável leveza de o ser

Ao décimo segundo livro, dificilmente ouviremos falar de literatura com a paixão que João Tordo emprega. Descubra o que o move e porque escolhe ser escritor numa época que quer, à viva força, condenar a Literatura.

João Tordo, a insustentável leveza de o ser
Conversas

O nosso homem em Le Mans

Eduardo Freitas começou como mecânico de karts e hoje comanda uma das provas-estrela do desporto motorizado mundial: as 24 Horas de Le Mans. O Diretor de Corrida da FIA WEC sentou-se com a Must para uma conversa que deu a volta ao mundo.

O nosso homem em Le Mans
Conversas

Reverter o relógio biológico é possível?

Especialista em antienvelhecimento e em medicina integrativa e regenerativa, Graham Simpson questiona as recomendações da American Heart Association e defende que a dieta cetogénica tem o potencial para salvar vidas.

Reverter o relógio biológico é possível?
Conversas

Rodrigo Santoro no comando

O ator brasileiro esteve em Lisboa e falou-nos dos bastidores de ‘Westworld’, como a série mudou a sua relação com a tecnologia e porque nunca fica sozinho no set.

Rodrigo Santoro no comando
Conversas

Nick Youngquest, um herói moderno

Antigo jogador de râguebi, é embaixador da fragrância Invictus, de Paco Rabanne, feminista orgulhoso e dedica-se a promover a solidariedade através do desporto.

Nick Youngquest, um herói moderno
Conversas

“Nunca fui um chefe de orquestra”

Nome maior da moda nacional, José António Tenente retirou-se do mercado e refugiou-se em alguns dos teatros nacionais, onde se dedica ao trabalho de figurinos. Fomos encontrá-lo no sítio onde porventura se sente mais feliz: os bastidores.

“Nunca fui um chefe de orquestra”
+Carregar mais