Viver

Trabalhadores remotos fogem para resorts à espera de vacinas

Quando o governador Gavin Newsom anunciou um "lockdown" na Califórnia ainda mais rígido em meados de dezembro, alguns residentes mais abastados correram para lugares - o mais longe possível - como a ensolarada Belize. Outros, que já antecipavam a medida, tinham partido há muito tempo.

O resort Chileno Bay em Cabo San Lucas, México
O resort Chileno Bay em Cabo San Lucas, México Foto: Bloomberg
19 de fevereiro de 2021 | Bloomberg

Ao contrário da primeira onda de restrições da Covid-19, que estimulou viagens de carro e temporadas em segundas residências, a segunda onda despertou o desejo global de fugas mais permanentes, mais quentes e mais distantes.

No Reino Unido e na Europa, os ricos voaram para destinos com climas mais quentes como Dubai, Maldivas e Espanha com o objetivo de escapar do confinamento de inverno, diz Justin Huxter, fundador da Cartology Travel, com sede no Reino Unido.

Os americanos têm mais opções de bunkers tropicais: o Hawai diminuiu as restrições de viagens, e as fronteiras estão abertas no México, Costa Rica, Belize e muitas partes do Caribe. Afinal, de que vale uma segunda casa em Lake Tahoe ou Napa, na Califórnia, quando teleféricos, vinícolas e restaurantes próximos ficam periodicamente inacessíveis, como durante boa parte de dezembro e janeiro?

O hotel Origins Lodge, Costa Rica
O hotel Origins Lodge, Costa Rica Foto: Bloomberg

"Pessoas cansadas do ‘confinamentos perceberam que podem continuar a vida em lugares com muito menos stress e muito mais espaço para respirar", diz Jack Ezon. O fundador da Embark Beyond  concluiu que clientes da costa leste dos EUA têm migrado para hotéis e resorts de luxo na Flórida, Carolina do Sul e nas Ilhas Turcas e Caicos, enquanto os clientes da costa oeste fogem para o Arizona e Puerto Vallarta e Cabo no México – tudo lugares com bom clima e Wi-Fi.

Uma praia escondida nas Ilhas Marietas, perto de Puerto Vallarta, México
Uma praia escondida nas Ilhas Marietas, perto de Puerto Vallarta, México Foto: Bloomberg

O custo médio, diz, é de 70 mil dólares por mês, e a maioria dos clientes faz reservas para dois a quatro meses.

Os descontos para estadias prolongadas, a reabertura de certas fronteiras internacionais e uma maior consciência sobre os cuidados a adotar nas viagens incentivaram o êxodo na segunda vaga. Embora o isolamento social num resort de cinco estrelas possa ter sido novidade no início da pandemia, agora é uma necessidade para uma determinada classe de consumidores; na Tailândia, é um plano de negócios.

"Em outubro, as pessoas começaram a perceber que enfrentariam outro inverno em São Francisco, sem restaurantes, sem entretenimento, sem escritórios - realmente sem nenhum lugar para ir", diz Leigh Rowan, fundador da Savanti Travel, na Baía de São Francisco, cujos clientes têm comprado passagens só de ida e trabalhado remotamente em casas à beira-mar ou hotéis repletos de amenidades.

Desta vez, diz, os clientes não têm intenção de voltar até que haja a promessa de uma data para receberem a vacina.

As cabanas da piscina do resort Chileno Bay em Cabo San Lucas, México
As cabanas da piscina do resort Chileno Bay em Cabo San Lucas, México Foto: Bloomberg

Check-out indefinido, por favor

Melanie Woods, uma designer gráfica de 39 anos, deixou São Francisco bem antes da notícia do confinamento de inverno. Desde 1 de outubro - dia em que o Belize reabriu as fronteiras -, Melanie trabalha remotamente no resort de luxo rústico Turtle Inn, do diretor Francis Ford Coppola, onde a sua mesa fica perto de uma janela com brisa do mar.

O resort Turtle Inn, Belize
O resort Turtle Inn, Belize Foto: Bloomberg

"Nado para me exercitar entre as chamadas telefónicas. Aos fins de semana, sinto que estou de férias", diz.

O Belize exige que viajantes tenham um teste negativo à Covid-19 na chegada, o que tranquilizou Woods. O hotel de 27 quartos, localizado à beira-mar em Placencia, também é quase totalmente ao ar livre, o que facilita comer e socializar em ambientes externos distantes. Os quartos custam a partir de 329 dólares por noite, mas estadias prolongadas trazem descontos de 20% na estadia e na alimentação. Woods está a alugar o seu apartamento para compensar as despesas.

"Provavelmente não voltarei até o verão, ou quando puder tomar uma vacina", diz.

Saiba mais atualidade, pandemia, Covid-19, confinamento, isolamento social, inverno, EUA, trabalho remoto, viagens, resorts, luxo, vacina
Relacionadas

Isto não é uma casa, é um super-iate

Os aviões de maior dimensão, capazes de realizar viagens transatlânticas sem paragens, e os super-iates personalizados para aventuras audaciosas estão ainda mais populares.

As melhores férias do mundo só para os adultos

Com as crianças em casa e a sensação de claustrofobia a instalar-se, Sophie Butler dá a conhecer as melhores escapadelas do mundo para os mais crescidos. E quando for possível viajar de novo, claro.

Mais Lidas
Viver Turistas fazem reservas com antecedência, mas para onde?

No início da pandemia, especialistas em viagens apressaram-se em determinar a forma da recuperação. Seria em forma de L? Ou mais como um W? Um ano depois, apesar de breves períodos de recuperação e muita procura reprimida, a retoma das viagens ainda está para chegar.

Viver Trabalhadores remotos fogem para resorts à espera de vacinas

Quando o governador Gavin Newsom anunciou um "lockdown" na Califórnia ainda mais rígido em meados de dezembro, alguns residentes mais abastados correram para lugares - o mais longe possível - como a ensolarada Belize. Outros, que já antecipavam a medida, tinham partido há muito tempo.