Viver

Este é o número de vezes que deve ter orgasmos por mês

Os cientistas descobriram o número mágico por uma boa causa: previnir o cancro de próstata.

27 de fevereiro de 2020 | Aline Fernandez

Boas notícias para os homens ativos sexualmente. O grupo de pesquisadores do Health Professionals Follow-Up Study da Universidade de Harvard reuniu informação de voluntários desde 1986. O grupo de homens entre 46 e 81 anos partilharam o número de ejaculações que tinham por mês no início da vida adulta (dos 20 aos 29) e na meia-idade (40 a 49), tanto por relação sexual, masturbação ou ejaculações noturnas.

Para chegar a um número final, o grupo de pesquisa analisou os dados de 31.925 homens saudáveis, que preencheram um questionário em 1992 – e a cada dois anos até 2000. O que perceberam foi que os homens com maior frequência de ejaculação estavam ligados ao menor risco do diagnóstico do cancro de próstata, comparado com homens com até sete ejaculações por mês. A revelação foi que, aqueles que ejaculavam pelo menos 21 vezes por mês tinham até 31% menos risco de ter cancro da próstata.

"Os estudos fazem pouco para responder a essas questões críticas – mas abrem um novo caminho para a pesquisa. Tal como relatam que uma alta frequência de ejaculação precoce no início da vida adulta tem maior impacto sobre o risco de cancro de próstata décadas depois. E chamam a atenção para a importância do que acontece no início da vida, quando a próstata está a desenvolver-se e a amadurecer-se", lê-se num artigo publicado no site da Harvard Health Publishing em março de 2014 e atualizado o ano passado, reforçando o facto de que há precedentes para uma longa demora entre causa e efeito.

Ou seja, pode ficar aliviado (das duas formas) e ter a desculpa que é em nome da saúde, seja ao fazer sexo com a sua parceira/o ou não. E, note, quanto mais cedo melhor.

Saiba mais masturbação, ejaculação, cancro, próstata, Harvard
Relacionadas

Sexo casual é bom e recomenda-se?

Vergonhoso e sem importância, é com esta fama às costas que tem vivido o termo (e a prática) referente a sexo ‘casual’. No geral, são vários os motivos apontados. Em particular e visto à lupa, esta escolha parece não representar nada de errado. Formalismos à parte, é claro.

Mais Lidas
Viver Vendas de papel de parede aumentam por causa da Covid-19

O interesse repentino na cor do papel de parede deve-se ao aumento das reuniões em videoconferência. Ou então ao facto das pessoas passarem mais tempo a olhar para as suas paredes. Qualquer que seja a razão, a MUST reúne as melhores opções para a casa.