Viver

Coronavírus. Como proteger-se nos treinos

Reunimos algumas sugestões de como evitar os riscos de contaminação antes de inventar quaisquer desculpas para não ir ao ginásio.

Foto: Victor Freitas | Unsplash
13 de março de 2020 | Aline Fernandez

Quaisquer superfícies de contacto frequente, como os halteres e os botões das passadeiras e bicicletas ergonómicas podem representar um problema num período de pandemia. Mas antes de cair na tentação de ficar no sofá a ficar a ver o novo episódio de uma série, saiba quais as medidas a tomar para tornar possível o ritmo de treino num cenário de medo de contaminação por coronavírus.

Primeiro, é claro que como em qualquer espaço confinado, existem riscos de transmissão durante o treino. "Talvez esse seja o momento para ser mais cauteloso com todos os tipos de exposição, incluindo o ginásio", reforçou ao The New York Times David Thomas, professor de medicina e diretor da Divisão de Doenças Infeciosas da Faculdade de Medicina da Universidade Johns Hopkins, em Baltimore, no estado de Maryland, nos Estados Unidos da América. Contudo, o mesmo reitera que o suor não pode transmitir o vírus. Ou seja, não há motivo para (tanto) pânico.

Vale a pena ressalvar que antes de desistir de ir treinar, existe um risco menor de contrair o novo Covid-19 no ginásio do que num centro religioso, por exemplo, onde geralmente se apertam as mãos e existe uma maior proximidade a terceiros. Mantenha uma distância necessária e a higiene em qualquer lugar que frequentar.

Os investigadores continuam a tentar descobrir como o novo coronavírus se espalha exatamente, mas o que já se sabe – através do resultado de estudos sobre outros coronavírus – é que este permanece durante até nove dias em superfícies de metal, vidro e plástico. Sabendo isto, é importante evitar superfícies de alto contato em qualquer lado, que no ginásio vão desde as máquinas de levantar pesos, halteres, cordas aos botões de comando das passadeiras e bicicletas ergonómicas, áreas frequentemente manuseadas. O perigo, portanto, é o mesmo dos botões de elevadores e das maçanetas das portas, locais que estão sempre a serem tocados pelas mãos de diversas pessoas.

O primeiro passo é desinfetar todas as áreas com as quais terá contato antes de usá-las e repetir a higienização após o uso das facilidades com  frascos de spray de limpeza das máquinas, tapete e equipamentos. Se quiser ter mais precaução leve de casa um frasco de solução alcoólica (esta deve ter mais de 70% de álcool). 

Num período de preocupação global tão grande nenhuma medida é exagerada. Caso não se sinta confortável, converse com os responsáveis pelo ginásio para solicitar uma circulação de ar constante no espaço e uma rotina de limpeza realizada mais vezes do que o habitual – o cenário atual exige tamanho cuidado. O mesmo é válido para todos os ambientes que frequenta na sua rotina, desde o local de trabalho, à casa de amigos ou a um workshop.

Além da higienização das superfícies com frequência, provavelmente já sabe mas não custa reforçar, é recomendável que lave as mãos com frequência durante 30 segundos e não toque no rosto. Se se sentir doente, fique em casa – e não nos referimos apenas às doenças respiratórias, qualquer sintoma que diminua a sua imunidade no período atual deve ser tido em atenção. Outras soluções passam por utilizar treinos em casa, com a ajuda de aplicações. 

Saiba mais ginásio, treino, contaminação, coronavírus
Relacionadas

Walk that Walk & Talk that Talk: ande a pé e torne-se mais criativo

Já se sabe de cor a regra dos dez mil passos. Sabe-se que andar a pé acelera o metabolismo, que faz bem ao coração e que ainda aumenta a longevidade. Porém, ninguém se lembra das maravilhas que uma caminhada pode fazer à criatividade — ou à falta dela. Sente-se bloqueado? Leve o seu cérebro a passear.

O macho alfa dos machos alfa

O estilo de vida extremo de Ben Greenfield conquistou CEOs e príncipes em busca da juventude eterna e de testosterona extra. Stefanie Marsh encontrou-se com ele em casa – para um banho de gelo.

Mais Lidas
Viver Sexo casual é bom e recomenda-se?

Vergonhoso e sem importância, é com esta fama às costas que tem vivido o termo (e a prática) referente a sexo ‘casual’. No geral, são vários os motivos apontados. Em particular e visto à lupa, esta escolha parece não representar nada de errado. Formalismos à parte, é claro.

Viver O Fim da Humanidade?

A inteligência artificial já está a ficar com os nossos trabalhos. Irá libertar-nos, escravizar-nos ou exterminar-nos? O Professor Stuart Russell, da Universidade da Califórnia, em Berkeley, acredita que estamos numa encruzilhada perigosa.

Viver Vendas de papel de parede aumentam por causa da Covid-19

O interesse repentino na cor do papel de parede deve-se ao aumento das reuniões em videoconferência. Ou então ao facto das pessoas passarem mais tempo a olhar para as suas paredes. Qualquer que seja a razão, a MUST reúne as melhores opções para a casa.