Viver

As pernas mais caras e desejadas da história

Já em 1943 Betty Grable fez um seguro de um milhão para as suas pernas. Hoje há quem o faça por mil milhões – porque não?

Foto: Fred Duval/FilmMagic
15 de janeiro de 2020 | Aline Fernandez

Embora o talento de atrizes e cantoras possa valer muitos milhões de euros, tudo indica que as suas pernas  também. Sabe-se que a prática de assegurar partes do corpo remonta ao início dos anos 1900, altura em que há registo do ator norte-americano e comediante de filmes mudos Ben Turpin (1869 - 1940), ter feito uma apólice para os seus olhos com estrabismo, pagável se por alguma razão viessem a ficar alinhados.

As celebridades de Hollywood seguiram o mesmo caminho e passaram a proteger as suas figuras, incluindo
Bette Davis (1908 - 1989) que resolveu assegurar a sua cintura. Há quem acredite que a prática tornou-se um golpe publicitário, porque desde que Betty Grable fez um seguro para as suas desejáveis pernas, o feito é repetido até hoje por estrelas, desde Rihanna a Taylor Swift. Veja em baixo o valor das pernas mais caras da história.

Betty Grable - 1 milhão de dólares 

Betty Grable, cerca de 1950
Betty Grable, cerca de 1950 Foto: Silver Screen Collection/Getty Images

Durante a Segunda Guerra Mundial, Grable foi eleita a pin-up número um entre os soldados. A atriz tornou-se um símbolo sexual de Hollywood exatamente por causa das suas pernas, sendo a celebridade mais bem paga entre 1943 e 1951. Em 1943, as suas pernas foram impressas em cimento em frente ao Chinese Theatre de Grauman e apelidadas de "marco importante de Hollywood" pela revista LIFE. Foi no auge de sua carreira que a 20th Century-Fox assegurou suas pernas por US$ 1 milhão, cerca de 900 mil euros.

Rihanna  - 1 milhão de dólares 

Rihanna em julho de 2007
Rihanna em julho de 2007 Foto: Jun Sato/WireImage

Em 2007, Rihanna foi "homenageada" com o prémio Celebrity Legs of a Goddess. Para proteger os seus bens, as pernas da cantora foram asseguradas por 900 mil euros.

Heidi Klum - 2 milhões de dólares 

Heidi Klum em setembro de 2004
Heidi Klum em setembro de 2004 Foto: Fred Duval/FilmMagic

A modelo e apresentadora de TV alemã começou a carreira em 1992 e, desde então, as suas pernas já apareceram em incontáveis passerelles, capas e editoriais de revistas. Em 2004 Klum resolveu assegurá-las por 1,8 milhões de euros e informou ainda que cada uma possuía um valor diferente, já que a perna esquerda tem uma cicatriz, portanto não é "tão valiosa" quanto a direita.

Tina Turner - 3,2 milhões de dólares 

Tina Turner
Tina Turner Foto: Brian Rasic/Getty Images

As pernas de Turner tornaram-se numa das suas características mais marcantes. Além de assegurá-las em 2,87 milhões de euros, cantou sobre as mesmas em Legs, tema de 1994.

Taylor Swift - 40 milhões de dólares americanos

Taylor Swift em outubro de 2015
Taylor Swift em outubro de 2015 Foto: George Pimentel/LP5/Getty Images for TAS

Em 2015, antes de começar a sua tour mundial 1989, a cantora garantiu um seguro para o seu par de pernas compridas por 35,91 milhões de euros, caso alguma coisa acontecesse com elas que a impedisse de se apresentar nos espetáculos. 

Mariah Carey - 1000 milhões de dólares 

Mariah Carey em maio de 2006
Mariah Carey em maio de 2006 Foto: James Devaney/WireImage

Em 2006, as pernas da cantora foram nomeadas as primeiras pernas de uma celebridade representantes da gama Gilette Venus, tendo uma réplica de mais de 4,5 metros de altura sido exibida no Radio City Music Hall, em Nova Iorque. No mesmo ano, os tablóides norte-americanos noticiaram que Mariah havia feito uma apólice de seguro de 897.840.000 euros para as pernas e não foi a última vez que ela viria a proteger partes do seu corpo. Em 2011, durante a turné Sweet Sweet Fantasy, a cantora assegurou as cordas vocais por US$ 35 milhões, cerca de 31,42 milhões de euros, e novamente as pernas por uma quantia igual.

Saiba mais perna, celebridades, pernas, atriz, cantora, seguro, seguradora, apólice, Mariah Carey, Taylor Swift, Tina Turner, Heidi Klum, Rihanna, Betty Grable
Relacionadas

Como viajar em económica (como se fosse em primeira classe)

Nos tempos que correm toda a gente anda de avião. E um dos resultados da democratização deste meio de transporte é a ausência daqueles luxos que podem fazer toda a diferença. Através de pequenos truques, tentamos subverter esta realidade. Não garantimos milagres, mas asseguramos melhorias.

Mais Lidas
Viver Vendas de papel de parede aumentam por causa da Covid-19

O interesse repentino na cor do papel de parede deve-se ao aumento das reuniões em videoconferência. Ou então ao facto das pessoas passarem mais tempo a olhar para as suas paredes. Qualquer que seja a razão, a MUST reúne as melhores opções para a casa.