Viver

Afinal, quantas vezes por semana devemos fazer exercício?

É uma questão que pode ser controversa, sobretudo na comunidade desportiva, mas a resposta é simples.

Foto: Oliver Sjöström / Pexels
25 de agosto de 2020 | Inês Esteves

Quando se trata de alcançar um estilo de vida mais saudável, existem sempre questões à volta do exercício físico. Refeições saudáveis e exercício físico regular, são recomendações que já conhecemos mas, afinal, quanto tempo se deve exercitar por semana?

A Organização Mundial da Saúde recomenda que um adulto faça, pelo menos, entre 150 minutos de atividade aeróbica – o chamado cardio - de intensidade moderada ao longo da semana ou 75 minutos de atividade física mais intensa, ou então um equilíbrio entre os dois. Como organizamos o nosso tempo é connosco, no entanto, a OMS refere que distribuir esse tempo ao longo da semana, como por exemplo, exercitar cinco vezes por semana, durante 30 minutos, é importante para manter uma vida saudável.

No entanto, para obter melhores resultados, deve aumentar-se a atividade aeróbica moderada para 300 minutos por semana, ou 150 minutos de atividade física mais intensa. No que toca a atividades de musculação, devem ser realizadas incluindo os maiores grupos de músculos – peito, costas, braços, ombros, pernas - em dois ou mais dias por semana.

Acompanhando as recomendações da OMS, o site do clube de fitness Holmes Place refere algumas atividades de intensidade moderada a fazer: caminhada rápida, jogging leve, andar de bicicleta a menos de 10mph, nadar a um ritmo lento mas constante, hidroginástica e yoga. Se a preferência for atividade física mais intensa, sugerem: corrida, caminhadas em subidas com uma mochila pesada e aeróbica.

O clube de fitness afirma que não existe uma fórmula única para a quantidade de exercícios a fazer. Realçam, no entanto, que tem de haver tempo para recuperar das atividades físicas.

Saiba mais Exercício Físico, Estilo de vida, OMS, desporto, saúde
Relacionadas
Mais Lidas
Viver "A Airbnb precisa de mudar. Temos de regressar ao essencial"

A Airbnb sofreu um golpe de mil milhões de dólares com a pandemia — enquanto enfrentava acusações de fomentar o aumento das rendas e incentivar o turismo excessivo. O seu cofundador, Brian Chesky, conversou com John Arlidge sobre como a sua empresa perdeu o rumo — e o que vai fazer para retomá-lo.