Prazeres / Gourmet

Uma experiência de sushi que honra a tradição

O Praia no Parque tornou-se num dos sítios mais versáteis da cidade. Quer marcar um almoço de negócios? É lá. Tomar um copo depois de jantar? Também é lá. E juntar a família ao fim de semana? Exacto. Também há sushi na barra, uma experiência imperdível.

21 de fevereiro de 2020 | Rita Silva Avelar

Chegamos ao Praia no Parque, em pleno Parque Eduardo VII, junto ao lago e às estufas, e a luz natural é uma das qualidades desde logo evidentes. Aberto desde o final de 2017 no espaço do antigo Botequim do Rei, é nada mais, nada menos, que a recriação do sazonal Praia na Villa em Vilamoura, aqui trazido pelos empresários e sócios Nuno Santana, Francisco Spínola, João Arnaut, Sebastião Pinto Ribeiro e Tomás Froes.

Na barra do Praia no Parque é servida a experiência de sushi, com lugar para 12 pessoas.
Na barra do Praia no Parque é servida a experiência de sushi, com lugar para 12 pessoas.

Uma das experiências novas do Praia no Parque é a cozinha nipónica: é servida na barra, com lugar para 12 pessoas. O chef Lucas Azevedo, que vem do icónico Bonsai, é o responsável por honrar esta cozinha, com uma mestria que pode ser observada desde o primeiro minuto ao lado do igualmente talentoso Celso Szczerba, que dá continuidade à excelência da degustação.

Carpaccio de lírio com molho umeboshi, um dos pratos servidos na barra.
Carpaccio de lírio com molho umeboshi, um dos pratos servidos na barra.

É-nos servido um sake, logo à chegada, em copo alto, uma das bebidas fermentadas tradicionais do Japão, produzida a partir de três ingredientes principais: arroz, água e koj. Depois, inicia-se uma viagem gastronómica que acima de tudo honra a tradição japonesa: do princípio ao fim não há desperdício e todos os pratos são sagrados. O amuse bouche especial da casa é recriado com as "sobras" de outros pratos, perfeitamente aproveitáveis para criar este primeiro momento. No caso, chegou-nos à mesa uma junção de rábano tornado pickle, alga kombi e karasumi feito com ovas de robalo. Seguem-se as fresquíssimas ostras da Ria Formosa (€7, três) acompanhadas de molho ponzu e momiji oroshi (rábano com malagueta e cebolinho). A seguir, é a vez de apreciar o usuzukuri com molho ponzu, servido em gelo, com ukami, limão, daikon com malagueta e cebolinho (€15), o carpaccio de lírio charuteiro com molho umeboshi (€16) e ainda o sashimi de toro (€22).

Trio de ostras da Ria Formosa acompanhadas de molho ponzu e momiji oroshi.
Trio de ostras da Ria Formosa acompanhadas de molho ponzu e momiji oroshi.
Temaki de de ouriço-do-mar e toro.
Temaki de de ouriço-do-mar e toro.

Recomenda-se que a viagem siga com os vários niguiris: cinco (€24) para comer à mão e com ousadia. Destacamos o de toro, que é braseado com recurso ao binchotan (carvão japonês) e o carabineiro, que surpreende pela frescura e sabor, desde a primeira dentada (e que o chef acompanha com um shot). Uma das particularidades da cozinha é a maturação do peixe, por exemplo, o atum é bluefin maturado, para se tornar mais suave e saboroso. O arroz é servido morno, a uma temperatura ideal, para se desfazer na boca conforme manda a tradição. Depois deste momento inesquecível, o chef surpreende com os temakis. Sugestão? Prove o de ouriço-do-mar e toro (€12), que é servido na versão original (em alga noori, aberta e crocante, pois o chef também a passa uns segundos pelo famoso carvão). Vale a pena guardar apetite parta para o temaki de toro e caviar (€15) igualmente delicioso, na versão de alga noori fechada. Uma curiosidade: o wasabi que é servido é fresco, sendo a raiz desta planta raspada na hora com recurso a uma lima de pele de tubarão. Também o molho de soja honra a tradição e é feito de forma personalizada com recurso a ingredientes únicos para cada um dos momentos (e atenção, o chef não recomenda que seja provado em todos).

O wasabi é servido é fresco, sendo a raiz desta planta raspada na hora com recurso a uma lima de pele de tubarão.
O wasabi é servido é fresco, sendo a raiz desta planta raspada na hora com recurso a uma lima de pele de tubarão.

No fim, pergunte pela sobremesa especial do dia, garantimos que será a melhor escolha para finalizar a refeição. Se optar por pecar "a sério" escolha o petix gateaux, uma sobremesa que já é um ex-líbris do Praia no Parque.

Onde? Alameda Cardeal Cerejeira (Praia no Parque, junto ao Pavilhão Carlos Lopes) Quando? De domingo a quarta-feira das 12h à meia-noite; quinta-feira das 12h às 2h, e de sexta-feira a sábado das 12h às 3h. Reservas 96 884 2888 ou reservasparque@apraia.pt

Saiba mais Sushi, Japão, Restaurante, Praia no Parque, Praia na Villa, Eduardo XVII, João Arnaut, Francisco Spínola, Nuno Santana, Vilamoura, Sebastião Pinto Ribeiro, Tomás Froes, Botequim do Rei, gastronomia
Relacionadas

Em Lisboa, sê italiano

No Largo Rafael Bordalo Pinheiro, em Lisboa, o Caffè di Marzano é o novo recanto italiano da cidade. Luminoso de dia e escuro de noite, é o local ideal para apreciar com calma e num ambiente acolhedor o melhor da gastronomia de Itália.

Os melhores pratos que os chefs provaram em 2019

Desafiámos alguns chefs a partilhar as melhores descobertas das suas expedições gastronómicas a outros restaurantes, e ficámos a saber qual foi o seu prato preferido de 2019. Surpreenda-se com as respostas.

Mais Lidas
Gourmet Qual é o segredo do charme do Bairro Alto Hotel?

Não se pode dizer que os espaços de hotelaria abrem, hoje, à mesma velocidade que os de restauração. Mas a afluência turística elevou a qualidade da oferta a um patamar alto, na capital lisboeta. O que é que torna o reaberto Bairro Alto Hotel tão distinto, convidativo e, enfim, especial?