Estilo / Beleza & Bem-Estar

O jejum faz bem à saúde?

É uma das tendências mais célebres e tem sido adotada por pessoas em todo o mundo para perder peso, melhorar a saúde e simplificar o estilo de vida. Graham Simpson é adepto desta prática e sublinha que os benefícios são múltiplos.

Foto: Pexels
17 de setembro de 2019
Não confundindo com uma dieta, o jejum intermitente é praticado, há séculos, em várias religiões (como no Judaísmo e no Budismo) e trata-se de um padrão alimentar cíclico que alterna períodos de jejum com períodos de alimentação, habitualmente integrando jejuns de 16 horas ou de 24 horas, duas vezes na semana.

Existem maneiras diferentes de colocá-lo em prática, mas todos envolvem dividir o dia ou a semana em distintos períodos: o método 16/8 envolve "saltar" o pequeno-almoço e restringir o dia a um intervalo de alimentação de oito horas (entre as 13 e as 21 horas, por exemplo), jejuando nas 16 horas de intervalo; no método 5/2, consomem-se entre 500 a 600 calorias em dois dias não consecutivos da semana, comendo normalmente nos restantes cinco dias. Reduzindo o consumo de calorias, todos os métodos originam perda de peso desde que não exista um excesso de ingestão calórica no período alimentar.
Saiba mais bem-estar, estilo de vida, saúde, jejum intermitente, peso, alimentação
Relacionadas

Reverter o relógio biológico é possível?

Especialista em antienvelhecimento e em medicina integrativa e regenerativa, Graham Simpson questiona as recomendações da American Heart Association e defende que a dieta cetogénica tem o potencial para salvar vidas.

Comer bem de norte a sul de Portugal

Esta é a nossa escolha e tanto pode encontrar o restaurante com estrela Michelin como a tasca de província. Lisboa e Porto ficam de fora – chamem-lhe discriminação gastronómica positiva.

Mais Lidas
Beleza & Bem-Estar Do prato para a pele

É da natureza que são provenientes alguns dos melhores ingredientes utilizados na cosmética, e é da industria alimentar que surgem as tendências mais interessantes para nutrir a pele. Cabelos, corpo, rosto e perfumaria beneficiam do potencial de extractos de plantas, de ácidos extraídos das frutas e de outros produtos que muitas vezes encontramos no prato. Conheça alguns dos mais consensuais.